Seguir por Email

Resenha: A vida em tons de cinza - Ruta Sepettys.

Livro: A vida em tons de cinza.
Autora: Ruta Sepettys.
Editora: Arqueiro.
Páginas:  251
Nota: 10
Sinopse: Lina Vilkas é uma lituana de 15 anos cheia de sonhos. Dotada de um incrível talento artístico, ela se prepara para estudar artes na capital. No entanto, a noite de 14 de junho de 1941 muda para sempre seus planos.
Por toda a região do Báltico, a polícia secreta soviética está invadindo casas e deportando pessoas. Junto com a mãe e o irmão de 10 anos, Lina é jogada num trem, em condições desumanas, e levada para um gulag, na Sibéria.
Lá, os deportados sofrem maus-tratos e trabalham arduamente para garantir uma ração ínfima de pão. Nada mais lhes resta, exceto o apoio mútuo e a esperança. E é isso que faz com que Lina insista em sua arte, usando seus desenhos para enviar mensagens codificadas ao pai, preso pelos soviéticos.
A vida em tons de cinza conta a história de um povo que perdeu tudo, menos a dignidade, a esperança e o amor. Para construir os personagens de seu romance, Ruta Sepetys foi à Lituânia a fim de ouvir o relato de sobreviventes dos gulags. Este livro descreve uma parte da história muitas vezes esquecida: o extermínio de um terço dos povos do Báltico durante o reinado de horror de Stalin.
Para Estônia, Letônia e Lituânia, essa foi uma guerra feita de crenças. Esses três pequenos países nos ensinaram que a arma mais poderosa que existe é o amor, seja por um amigo, por uma nação, por Deus ou até mesmo pelo inimigo. Somente o amor é capaz de revelar a natureza realmente milagrosa do espírito humano.

Tenho certeza que esse livro impressionará várias pessoas,ainda mais quem gosta da história de Stalin e Hitler. 
Esse livro trás um pouco dos ''bastidores''  de algo horrível que acontecia com várias pessoas durante a guerra, uma história que foi escondida e graças aos desenhos, poemas, entre outras, feitas por refugiados em vários campos de Stalin. 
A vida em tons de cinza é narrado por Lina Vilkas  onde ela nos mostra como a NKVD agia, mostra o sofrimento das pessoas que estavam com ela mas acima de tudo mostra como você podem  tirar de você sua casa, sua família, seus amigos, mas não podem tirar seus sonhos, suas lembranças e sua dignidade. É uma história que mostra o poder de um povo que foi pisado pela NKVD mas ainda sim continuaram fortes, unidos e acima de tudo lutaram pela sua liberdade.
Fugindo um pouco do livro .....esse livro me fez pensar na sociedade hoje, será que é preciso vir uma nova ditadura no  Brasil para fazermos com que as pessoas voltem a pensar? Será que elas gostam de se sentirem inferiores ? Não sei a resposta mas é isso que parece, esse livro mostra o poder do povo, o poder que cada um tem dentro de si quando levado aos limites.  Talvez seja disso que precisemos, teremos que ser levados ao limite para ter nossa dignidade de volta ? Os brasileiros tem uma força enorme nas mãos e não o aproveita, acho que é a hora de começarmos a pensar e agir.
Se eu pudesse compraria vários exemplares desse livro e distribuiria por ai mas infelizmente não posso, então dou a dica comprem esse livro, é excelente e retrata uma história linda de superação.

''NO AUGE DO INFERNO, FINALMENTE PERCEBI QUE DENTRO DE MIM HAVIA UM VERÃO INVENCÍVEL.'' - Albert Camus



5 comentários:

Quase disse...

Parabéns Lineeh
Você escreve muito bem para alguem tão nova... Continue assim fofa!!
Beijoos!!!

. pamela moreno santiago disse...

Boa tarde.

Vim hoje divulgar um projeto de resenhas literárias, o qual mais duas pessoas participam, colaborando com diversas opiniões e visões de diferentes estilos literários.
Se quiser ir fazer uma visitinha e seguir, eu agradeço:

http://oleitor2.blogspot.com

Obrigada e espero você lá,

Pamela.

Juh Oliveto disse...

Estou LOUCA pra ler esse livro, especialmente porque ADORO o tema. :)

E olha, acho que ditadura nunca é a solução, existem outros caminhos e acho que podemos percorrê-los. ^^

Beijocas!
Juh Oliveto
Livros & Bolinhos ~

Liineh disse...

Tbm acho que existem outros meios Juh ...o problena é que parece que só tirando algo das pessoas hoje em dia para que elas possam voltar a pensar.

Suellen disse...

Hum... Eu compreendo o que você quer dizer.
e gostei da resenha. Acho que ainda temos que aprender muito com as histórias de outros povo e precisávamos lutar por nossa cidadania. Adorei!

Postar um comentário